O que está por trás daquela jovem universitária que um dia levanta decidida a fazer uma tatuagem?

Porque ela decidiu que vai gravar para toda a sua eternidade uma borboleta no punho direito?

Porque se tatuar?

Te respondo…

Ela quer simplesmente lembrar todo dia que sua vida só tem sentido se for livre, bela e em constante renovação. Seu nome é Vanessa e no dia da tatuagem ela quer mais uma vez sair daquilo que a aprisiona, mas que no fim sempre foi fundamental para a sua vida.

Assim como Vanessa todas pessoas que se tatuam fazem por um motivo especial e em geral esse motivo não faz sentido para o mundo, não adianta ela explicar, nunca iremos entender por completo. Não vivemos na carne a história de Vanessa.

O senso estético da tatuagem

A pessoa que se tatua é acima de tudo um ser humano que quer se distinguir do demais, um pessoa que necessita se sentir única e encontrar uma forma de se diferenciar.

A Psicologia nos explica que o desejo de aprovação social nos faz expor ao mundo nossas crenças e uma das formas mais comuns de se fazer isso é através das tatuagens.

Falo com tranquilidade: tatuagem também é arte! Apesar de socialmente ainda carregar preconceito, existe claramente um senso estético nos desenhos e pinturas que a pessoa carrega na pele.

Carpinejando e tatuando

O poeta Carpinejar fala que na vida nós não temos tempo de passar a limpo e por isso precisamos caprichar no rascunho.

É assim que vejo a força do aqui e do agora da tatuagem, afinal todas elas tem um significado. Mas mais do que isso, elas tem uma história significante. Mesmo que impermanente.

E por falar em inconstância, quem de nós não se submete a modismos? Por que crucificar alguém que quer se sentir mais atraente do jeito dela?

A natureza efêmera do tempo pode ser marcada pelas mensagens pessoais cicatrizadas na pele.

Vanessas borboletas   

Quando nos tatuamos reforçamos nossa identidade própria. O orgulho de ser quem é. Além disso buscamos o reconhecimento do mundo, o reconhecimento de ser único.

Na tentativa de chamar atenção e tornar-se atraente a tatuagem muda o padrão mental da pessoa, e mesmo que temporariamente, eleva a sua autoestima.

A cicatriz eterna que fica é sinônimo de alegria, sofrimento, orgulho e expressão. Definindo assim uma parte da própria identidade.

Vanessas encontram na tatuagem uma forma de contar sua história. Afinal Vanessas são inconstantes, são borboletas.

Psicólogo Luiz Cezar


P.s: Esse texto não se pretende a explicar tudo o que está por trás de uma pessoa que se tatua. Aqui é um pequeno recorte de algo muito maior. O ser humano é um universo único e infinito, essa é a minha crença, meu dogma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *